5 de ago de 2009

"Voce já amou assim?"

Foto: Sávio Ramos "Um olhar sobre o pantanal


Normalmente essa linda paisagem de um anoitecer, não me deixa triste, melancólica, mas hoje em especial estou me sentindo assim. Estou silenciosa, reflexiva a respeito, procuro entrar em sintonia direto com Deus, com a espiritualidade amiga para eu poder saber o porque? Parece que estou sentindo saudades, de uma vida que não vivi. Recentemente vi uma mensagem do museu do Louvre na França, chorei muito (sei não tem nada a ver com a Gra, por estar lá). É algo da minha vida passada (gente não pense que estou me comparando com os artistas que estão lá). Sinto que em algum momento de minha existência fiz pintura, talvez não tenha aproveitado o dom para o bem. É um sentimento estranho uma espécie de arrependimento por não ter feito melhor. As vezes penso que agora estou resgatando esse passado, mas parece que de novo ainda tardio, porque já passei de meio século. Só que desta vez mais consciente, só para o bem e quem sabe assim possa continuar enxergando com esse pouco que me sobrou (para mim é um tantão). Li uma mensagem de amor muito linda, resumida é assim: um casal de pessoas idosas, se queimaram em sua casa e ambos foram socorridos. A senhora ficou toda deformada pelo fogo e estava muito angustiada, pois não queria se mostrar tão feia, para seu amor. Porém quando ele teve permissão foi ve-la. Quando a viu! disse: querida como voce é linda, ela se asustou um pouco e percebeu que ele estava cego. E assim de amor, carinho, compreensão, amizade viveram mais 20 anos. Até que ela veio a desencarnar, ele ficou desolado. Passava a mão no rosto dela e dizia, como voce é linda. Só que uma amigo percebeu que ele estava vendo. Ele disse ao amigo, eu disse a ela que estava cego e assim procedi até hoje, para ela não ficar triste e perder o entusiasmo pela vida. Por que eu a via com sua verdadeira alma. E no final da mensagem vem uma pergunta. Voce já amou assim?
Minha resposta? fiquei envergonhada em responder.
Muitas das vezes essa melancolia é saudades do nosso verdadeiro lar, temos uma espécie de ensite de lembranças, pois quando encarnado somos levado a esquecer, e podermos viver essa vida para por em prática nosso livre arbítrio.
Fiquem com Deus.

Um comentário:

Noemi Szcypula disse...

Aham!!!!!!!!não, sei? acho que só meus filhos. são o maior amor de minha vida (amo muito meu marido.) mas só os filhos penso que recebem nosso amor infinito.